Certifixe

English

Publicado em 12.09.2007

Nomes estranhos em cartórios


Nome de artistas famosos, de políticos, de cidades e até numerais. Na hora de registrar o nome do filho no cartório, os brasileiros abusam da criatividade. O resultado são nomes como Última Delícia do Casal Carvalho, Bandeirante do Brasil Paulistano ou Chevrolet da Silva Ford.

Estes são alguns dos 86 nomes mais estranhos registrados em todo o Brasil nas duas últimas décadas. A lista foi divulgada pelo Sindicato dos Notários e Registradores do Estado do Espírito Santo (Sinoreg).

Para o presidente do Sinoreg, Orlando José Morandi Junior, na hora da escolha os pais devem ser orientados a optar pela simplicidade. “Nomes muito exóticos expõem os filhos e causam dificuldade de comunicação”, disse.

Um exemplo de Morandi é o da cantora Baby do Brasil, que nomeou suas filhas de Sarah Sheeva, Zabelê, Nana Shara, Kriptus Rá Baby, Krishna Baby e Pedro Baby. “Duas filhas dela já mudaram de nome”, afirmou.

O tesoureiro do Sinoreg, Hugo Antônio Ronconi, disse que a influência da televisão é grande na hora de os pais registrarem os filhos. “São escolhidos nomes de cantor e artista. Mas os pais precisam ter bom senso.”

Mas não é preciso ir longe para achar exemplos tão “originais”. A doméstica Gilcelâne de Abreu, de 40 anos, recebeu o nome em homenagem a uma vedete dos anos 60, por quem seu pai era apaixonado.

Quando Gilcelâne descobriu que estava grávida de um menino, 21 anos depois, deu a ele o nome de Lellison de Abreu Souza, que hoje tem 19 anos e é universitário. “Foi em homenagem ao pai dele, que se chama Edilson Lélis. Só juntei os nomes”, contou Gilcelâne. Mas o filho dela agradece ao pai.

“Minha mãe chegou a pensar em colocar Policarpo. Meu pai me salvou e hoje até me divirto, porque já procurei na internet e descobri que meu nome é único no mundo”, brincou Lellison.

MUDANÇA

Mas nem todo mundo tem orgulho do nome que carrega e alguns passam por situações constrangedoras. É o caso do universitário Lauzete Araújo Lopes Júnior, de 23 anos, que ganhou uma ação na Justiça para mudar o nome para Júnior Araújo Lopes.

“Estava na fila da casa lotérica e chamaram bem alto pela ‘Laurete’, no meio de todo mundo, foi horrível. Várias vezes ligaram para a minha casa procurando a dona Lauzete. Agora troquei todos os documentos e não passo mais por isso”, afirmou.



Fonte: A Tribuna - ES - 11/09/2007

+ ver todas

Parceiro

Correios

Site seguro

RapidSSL

Formas de pagamento

Visa, Mastercard, Transferência bancária, Boleto bancário

ACESSO RÁPIDO

Novo Pedido